Fábio Reis, Gustinho Ribeiro e o ridículo das polêmicas inúteis

Licença para a execução de obras. Esse trâmite burocrático, necessário para impedir abusos e agressões ao meio ambiente, ganhou um novo sentido na eterna disputa eleitoreira na cidade de Lagarto. Há coisa de duas semanas, uma licença para o prosseguimento da obra do Hospital do Amor no município deu uma enganchada, mas acabou saindo. Aí, os apoiadores do deputado federal Gustinho Ribeiro (SD) se apressaram em inundar as redes sociais acusando o também federal Fábio Reis (MDB) de ser responsável pelo atraso, pois seria um seu indicado quem comandaria o órgão responsável pela liberação da licença. Terrível, né? Mas o que é ruim, pode tranquilamente piorar, viu? No ano passado, antes das eleições, licenças cuja responsabilidade de cessão é da prefeitura, desde aquela época comandada por Hilda Ribeiro (SD), esposa de Gustinho, também tinha caminhos tortos para a liberação. E isso, especificamente, em relação a obras para o município feitas via Codevaf à partir de emendas do deputado Fábio Reis. Na época, apoiadores de Fábio inundaram as redes sociais atacando Gustinho. Vê, leitor e leitora, o quão ridículo e, ao mesmo tempo, similar são os modus operandi dessas situações em questão? Assim, o embate Reis x Ribeiro, que andava meio apagado nos últimos anos, retorna com força total e, com ele, os prejuízos à população. Pois enquanto os dois agrupamentos se engalfinham de forma eleitoreira, politiqueira e, claro, ridícula, quem é penalizado mesmo é o povo. Simples assim!

1 Comentário

  • Aderaldo Prata

    1 de setembro de 2021 - 12:53

    Simples assim. Uma pena que nem o exemplo de Itabaiana seja entendido.

Deixe um Comentário