FAMES e o trabalho sério, baseado em pesquisa também séria, que diagnostica: saúde dos municípios pede socorro!

Quando um trabalho é bem feito, é quase que uma obrigação que se elogie. Sim, pois AndersonsBlog entende que, dessa forma, se incentiva para que geral tome essa ação correta, produtiva, como um exemplo a ser seguido. É o caso do que fez a Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (FAMES) ao realizar uma pesquisa para “conhecer e identificar os problemas enfrentados pelas administrações municipais em relação aos serviços públicos de saúde neste período de maior demanda de atendimento em Unidades Básicas de Saúde (UBS)”, conforme informa material produzido e enviado para o email aqui da casa (christianjor@gmail.com). E os dados obtidos são aterradores, merecendo muita atenção por parte do Governo Federal e do Governo de Sergipe. Senão, vejamos: 97,6% dos municípios tiveram um aumento na demanda por atendimento na atenção básica (UBS, UPA, Centros de Covid, Hospitais de Pequeno Porte) por infecções respiratórias; 93% tiveram um aumento das despesas com a área da saúde, neste período de aumento de atendimentos relacionados à síndrome gripal; 97,6% dos gestores municipais indicaram que os repasses por parte do Governo Estadual para o enfrentamento à pandemia não estão sendo suficientes; e 86% dos municípios apontaram que os repasses do Governo Federal também não estão sendo suficientes para cobrir os gastos. Como se vê, o caso é seríssimo e medidas precisam ser tomadas, pois, como se está cansado de saber, as pessoas não moram no País ou no Estado, as pessoas moram nas cidades e nelas se socorrem quando precisam de um atendimento médico inicial. Agora, um outro número demonstrado pela pesquisa da FAMES também chamou a atenção de AndersonsBlog: o questionário aplicado para identificar os dados acima, enviado pelas FAMES, teve retorno de 57,3% dos municípios sergipanos. E aí a observação é simples: sem dar nomes aos bois, até porque essa informação não foi oferecida pela federação, mas que vista a carapuça quem nela couber, aonde peste estavam os secretários de Saúde desses 42,7% dos municípios sergipanos que deixaram de responder a esse importante questionário, a essa essencial pesquisa para que se diagnostique a situação do setor em Sergipe? Prefeitos e prefeitas, vale um conselho: pergunte aos seus respectivos gestores de Saúde se eles responderam ou não a pesquisa da FAMES. E, se não, ou deem aquele famoso “pesco-tapa”, no sentido figurado, claro, pra ver se a turma acorda, ou mandem logo embora quem não está comprometido com suas gestões, viu? Porque Saúde, ainda mais pública, é coisa séria demais pra quem quer que seja se dar ao luxo de sonegar informações que, no final das contas, podem ajudar a chamar a atenção das autoridades federais e estaduais para um problema que realmente existe, né isso?

 

1 Comentário

  • Ribeiro Filho

    10 de janeiro de 2022 - 16:17

    Antes de afirmar que os recursos do Governo Federal não fora suficiente, é melhor questionar, o que foi feito com os recursos enviados pelo Presidente? A CPI tinha que ser instalada para investigar,como foram gastos os milhões enviados.

Deixe um Comentário