Machado equiparou Valmir a João Alves não por retórica, mas por absoluto conhecimento de causa!

Nesta sexta, 22, o ex-deputado federal José Carlos Machado fez uma declaração, em entrevista a Magna Santana, na Fan FM – aliás, concessionários e concessionárias de emissoras de rádio, vozes femininas no radiojornalismo são muuuuito bem vindas, viu? Fica a dica! –, que causou furor nas rodas políticas em todo o Sergipe. Para o bem e para o mal! Nesse segundo caso, para o mal-estar de muito governista que, em verdade, anda meio cabisbaixo ultimamente, sentindo que a batata tá assando e que os dias de poder estão, literalmente, com os dias contados. E para o bem no sentido de que muita gente, desesperançada com os rumos que a governança estadual tem tomado nas quase duas últimas décadas, vinha buscando um sinal, um caminho que apontasse para um futuro desenvolvimentista para Sergipe. Ao que disse Machado: “com desprendimento e elevado espírito público pode fazer uma administração revolucionária. Eu acho que o Valmir tem um estilo muito parecido com o do ex-governador João Alves. É empreendedor, gosta de realizar e está sempre a frente do que pretende fazer”. O Valmir em questão, claro, é Valmir de Francisquinho. Mas a fala de Machado ganha em peso e importância não pelo que ele pensa em relação a Valmir, mas por tudo o que ele viveu ao lado de João Alves, de quem foi companheiro e fiel escudeiro ao longo de mais de quatro décadas de vida pública de ambos. Ou seja: mesmo apoiando e votando em Valmir, o conhecimento de causa, a participação efetiva e in loco de Machado nas administrações de João no governo, nas três oportunidades em que ele foi governador, é que credenciam e dão força a comparação feita por Machado. A verdade é que nem os maiores adversários de João Alves tiram o mérito dele ter sido o maior governador da história sergipana. Assim como nem os maiores adversários de Valmir deixam de reconhecer que ele foi o prefeito de Itabaiana que mais fez pela cidade. Claro que opositores fazem… oposição! E aí procuram chifre em cabeça de cavalo, além de pelo em ovo, e isso é do jogo! Mas, voltando a fala de Machado, atente, leitor e leitora, para mais esse trecho da entrevista: “me lembro que em 1982, na campanha que levou João Alves ao exercício do primeiro mandato, nós estivemos em Itabaiana visitando um projeto de irrigação administrado pelo Dnocs. Quando saímos, João Alves disse: ‘olha, Machado, se eu ganhar o governo, nós vamos ter que repetir isso em alguns pontos de Sergipe onde for possível’. E ele me disse isso, ganhou o governo e algumas obras de irrigação no Estado foram construídas espelhando-se naturalmente naquele exemplo de Itabaiana. João, no primeiro governo, inspirou-se muito nos exemplos que aconteceram em Itabaiana. Então eu acredito que essa coisa pode se repetir e Valmir, se eleito, pode se espelhar na forma como ele administrou a prefeitura de Itabaiana durante os seus dois mandatos”. AndersonsBlog optou por reproduzir esse segundo trecho na íntegra, apesar do tamanho, por ter lido pela internet uma mísera crítica açodada à comparação feita por Machado em relação a Valmir e a João – claro que crítica essa feita com viés eleitoreiro e politiqueiro, o que também é do jogo, sem nenhum problema. Mas percebe, leitor e leitora que avalie o que foi dito sem nenhum ranço de desonestidade intelectual, como a análise de Machado tem fundamento na realidade, merecendo, sim, uma reflexão por parte de todo sergipano e de toda sergipana? É bem por aí mesmo, Machado!

1 Comentário

  • Aderaldo Prata

    23 de abril de 2022 - 13:06

    José Carlos Machado sabe por experiência de vida, quem é quem para tocar Sergipe ao desenvolvimento. Ele, que deu um bom legado nesse sentido, sabe o que diz.

Deixe um Comentário