Rogério Carvalho, caso lidere oposição no Senado, superará Déda na Câmara

Em meio a tanto burburinho, tanto disse-me-disse, tanto empurra-empurra na luta pelo comando das principais casas legislativas do País, Câmara e Senado, uma notícia bastante procedente quase que passa despercebida. É que a jornalista Amanda Almeida apurou para o blog de Lauro Jardim, d’O Globo, o seguinte: “no desenho do Senado de 2021, além de presidir duas comissões, o PT quer retomar a liderança da oposição. Enfraquecido depois das eleições de 2018, o partido perdeu o posto para Randolfe Rodrigues (Rede-AP) em 2019. Agora, negocia com outras legendas o retorno à liderança da minoria sob argumento de ser o maior partido de oposição a Jair Bolsonaro na Casa, com seis senadores. O nome dos petistas para o cargo é Rogério Carvalho (SE), hoje líder da legenda.” Quem conhece Rogério sabe que ele não gosta de perder nem par ou ímpar. Portanto, se seu nome se concretizar, com certeza a liderança dele será. E há um referencial histórico aí: em fevereiro de 1998, o então deputado federal Marcelo Déda, maior estrela do petismo sergipano à época, se tornou líder do partido na Câmara. No mesmo ano se reelegeu com a maior votação no Estado – 82.464 votos, pra ser exato – e a segunda maior do país em termos proporcionais. Em 2000, colhendo os frutos de sua imensa visibilidade nacional, Déda se elege prefeito de Aracaju e, daí em diante, a história se encarrega de explicar o fenômeno Déda, que tristemente partiu cedo demais. Mas fico nesse recorte específico para destacar que, caso Rogério chegue ao comando oposicionista, superará Déda em termos de ascensão efetiva no Congresso. Aí é observar seu desempenho – capacidade para se destacar ele possui, se não nem estaria onde está. Assim, entre fevereiro de 21 e outubro de 22, o senador terá outra oportunidade de superar o desempenho de Déda: o saudoso chegou ao governo estadual, mas antes saiu de deputado federal para prefeito de Aracaju. Será que a história, em momento diferente, com personagem diferente, se mostrará de alguma forma cíclica e Rogério Carvalho sairá do Senado direto para o governo sergipano? Óbvio que o senador, como se diz no popular, não deve estar nem aí e nem chegando pra esse tipo de comparação de desempenho que o AndersonsBlog desencavou aqui. Mas, por outro lado, quem tem alguma dúvida que, em 22, Rogério Carvalho é candidatíssimo a governador?

1 Comentário

  • César Alves

    16 de janeiro de 2021 - 11:04

    Que ele será candidato a governador tenho certeza.

Deixe um Comentário