Prefeitura desenvolve programa EducAju como estratégia para recompor aprendizagem 

A pandemia da covid-19 trouxe impactos diretos em diversas áreas, inclusive na educação. Com quase 17 meses de aulas remotas, muitos alunos da rede pública de Aracaju tiveram o aprendizado comprometido, o que tem demandados ações práticas e efetivas para reverter o prejuízo causado durante o distanciamento social.

Consciente das necessidades advindas do período, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Educação (Semed), em parceria com a Associação Bem Comum, desenvolveu o programa EducAju, voltado para a educação básica do Município, englobando os alunos do 1º ao 5º ano, mas também a formação de professores dessas turmas.

De forma complementar ao trabalho que já vem sendo desenvolvido na rede municipal de ensino, o programa elaborou um novo material pedagógico. Ao todo, 49.987 cadernos estão sendo entregues aos estudantes do Ensino Fundamental menor, focados nas áreas de Língua Portuguesa, Matemática e Fluência Leitora, além de um caderno extra, direcionado aos estudantes que apresentam mais dificuldades que outros.

“Com a utilização desses cadernos pretendemos melhorar o aprendizado, os nossos indicadores de qualidade e atender a um processo de recomposição das aprendizagens, em decorrência dos impactos da pandemia em nossos alunos”, explica o coordenador de Ensino Fundamental da Semed, Evilson Nunes. Ele ressalta, ainda, que todo o programa recebe acompanhamento tanto da secretaria como da própria Associação Bem Comum, com a finalidade de melhorar os indicadores de qualidade de ensino da rede municipal e, consequentemente, oferecer um aprendizado de qualidade para todos os alunos.

Segundo a coordenadora municipal do EducAju, Patrícia Tavares, a estruturação do programa foi baseada em avaliações que deram um panorama da realidade atual do aprendizado na rede municipal.

“Tivemos dados do Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica], das avaliações do Saese [Sistema de Avaliação da Educação Básica de Sergipe] e do próprio diagnóstico da rede no ano passado, já temos conhecimento sobre a necessidade de um acompanhamento mais próximo e de uma ação mais efetiva. Somada à questão da pandemia, o problema se agravou, então a Semed precisava elaborar algumas estratégias para fazer a recomposição dessa aprendizagem e estamos correndo atrás disso”, ressalta Patrícia.

Suporte aos professores 

Paralelo à entrega dos cadernos aos alunos, o programa também distribui material pedagógico aos professores que ainda contam com uma formação. O treinamento ocorre mensalmente, com foco na discussão de técnicas de alfabetização e letramento para que as crianças possam obter melhora no desenvolvimento da língua falada e escrita, e também no raciocínio matemático.

“São possibilidades de aprender técnicas diferenciadas, com o suporte do material estruturado, unindo teoria à prática. Além disso, a formação também dá suporte ao professor quando ele tem dúvidas e precisa oferecer atendimento especializado para crianças que precisam de uma atenção ou de técnicas mais específicas”, explica Maria Matos, uma das formadoras do programa.

Beneficiada pela formação, a pedagoga Géssika Marcelino conta que o EducAju ajudará nos avanços da educação no município. “Gostei muito do material, complementa o que a gente já tinha, mas esse está mais próximo à realidade dos alunos. Quando retornamos para escola, percebemos um déficit muito grande no aprendizado, então esse conteúdo do Educaju veio pra ajudar bastante, dando suporte nesse pós-pandemia”, considera.

Deixe um Comentário