Fabio Mitidieri, o início da caminhada e a obrigação de governistas vestirem a camisa do… governo

Fábio Mitidieri (PSD) é um cara afável, dono de uma conversa agradável e ciente de suas posições. Isso é bom e necessário na política. Mas seu início de caminhada como pré a governador, cuja largada foi dada neste sábado, 19, com o seu Caminhos da Esperança realizado em Propriá, deu um tom que precisará ser muito bem explicado para que a população sergipana entenda, de fato, o que ele pretende. Senão, vejamos: o ponto central dessa ação do PSD, que se repetirá ainda por mais oito cidades, é expor o que ele entende como governança. Acontece que Fábio é governista de quatro costados, seu partido governa Sergipe há exatos quatro anos e seu nome foi bancado pela base, claro, mas sobretudo pelo governador Belivaldo Chagas, seu colega de agremiação. Então, ao expor sua ótica administrativa, será necessário que Fábio vista a camisa do… governador, ora bolas! Isso tira dele a independência e a luz própria? Lógico que não! Mas não pega bem sair pelo Estado dizendo que vai fazer isso ou aquilo sem antes deixar claríssima a intenção de dar continuidade ao atual governo. Veja bem, leitor e leitora: AndersonsBlog não falou continuísmo, falou continuidade. Daí então que gera uma certa confusão nominar sua ação de pré-campanha como Caminhos da Esperança. Ora, ora, então quer dizer que o atual cenário gera desesperança e que ele, Fábio, é que vai trazer a esperança de volta? Tá ou não tá confuso isso aí? Como nota acessória a este comentário, vale lembrar que o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PDT) e o ex-prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho (PL), lideram o processo eleitoral até este momento, segundo pesquisa (leia aqui), sem realizar nenhuma ação ao estilo da que Fábio começou a realizar. Já o senador Rogério Carvalho (PT), que disputa palmo a palmo a lanterninha nas intenções de votos com o também senador Alessandro Vieira (Cidadania), com o mote Sergipe Pode Mais, já caminhou o Estado praticamente inteiro. Será que Fábio terá melhor sorte do que Rogério? A conferir.

1 Comentário

  • José Carlos

    20 de março de 2022 - 09:59

    Gostaria de dizer duas coisas:

    Seus artigos são muito bons, claros e objetivos.

    Ficou claríssima a contratação do mote de campanha que Fábio escolheu. Ele está reprovando a administração de seu governador. Seria uma estratégia? Não sei!

    Independente de qualquer resposta, ficou perceptível a materialização do pensamento do filósofo italiano Nicolau Maquiavel que se traduzir na seguinte expressão: a lógica desse tipo de política consiste em não ter lógica. E ainda: a moral desse tipo de política consiste em não ter moral.

    Em suma, Fábio apresenta-se com um projeto de poder e não de governança. Para tanto, via desespero, será capaz de qualquer coisa, porque em seu mote de campanha ficou claro que “Os fins justificam os meios”.

Deixe um Comentário