Valmir de Francisquinho, a coletiva que não para de repercutir e os escalados para o ataque que só fizeram gols contra!

Na semana passada, dia 2, precisamente, o pré ao governo Valmir de Francisquinho (PL) lançou justamente a sua pré em uma entrevista coletiva. A coisa era tão aguardada que, de lá pra cá, o assunto das Eleições 22 é só… Valmir de Francisquinho! AndersonsBlog havia previsto que os efeitos da coletiva durariam alguns dias, depois uma semana e, finalmente, que chegaria a esta semana em que estamos. E não deu outra: pela reação governista ao anúncio de Valmir, talvez os efeitos da coletiva durem ainda mais. E isso, em tempos de Internet e de informação em excesso, não deixa de ser um fenômeno. Senão, vejamos: no dia seguinte a coletiva, o próprio governador Belivaldo Chagas (PSD) foi escalado pra atacar Valmir, a quem chamou de “irresponsável” por garantir que pagará o Piso Nacional dos Professores e o Adcional de Periculosidade às polícias e aos bombeiros. Argumentou o impacto na previdência estadual e coisa e tal. Mas, ao sentir o cheiro de queimado, o comando de campanha governista mandou Belivaldo sair de campo. Afinal, ao chamar um adversário de “irresponsável” por garantir o pagamento de direitos trabalhistas assegurados, Belivaldo meio que assegura e assevera: se o candidato dele ganhar, seguirá não pagando piso e nem periculosidade e ponto. Mas, como já dito, diante da imensa repercussão da coletiva de confirmação da pré de Valmir ao governo, nesta semana os “estrategistas” da pré-campanha governista resolveram escalar o presidente da Alese, deputado Luciano Bispo, também do PSD, para a inglória missão de bater em Valmir. Novo tiro pela culatra. Primeiro que Luciano, adversário local de Valmir, não tem argumentos factíveis pra atacar as gestões dele em Itabaiana. Se os tivesse, poderia ter vencido uma das três últimas eleições municipais nas quais seu agrupamento foi sumariamente detonado por Valmir e pelo eleitorado itabaianense. Então, quaisquer tentativas de desmerecer o trabalho de Valmir em Itabaiana, da parte específica de Luciano, soará sempre como o famoso “choro de perdedor”. Mas Luciano conseguiu fazer ainda pior: ao chamar Valmir de ex-presidiário, numa referência ao caso do matadouro municipal, o presidente da Alese – veja, leitor e leitora, o presidente de um dos poderes constituídos, o Legislativo – simplesmente atacou o pré a presidência de boa parte de seu agrupamento, incluindo aí a do seu pré ao governo, ora bolas! Ou os 14 dias de detenção de Valmir são piores do que os mais de 500 dias de prisão de Lula (PT)? Mas o pior estava por vir: “se ele abrir 36 matadouros, vai ser preso 36 vezes”, disse Luciano sobre Valmir. Pera lá: Luciano, que manda e desmanda no Legislativo, agora quer mandar e desmandar no Judiciário também? E, pra finalizar, se Valmir abrir 36 matadouros e, por isso, for 36 vezes preso, aí ele se tornará não apenas um governador, mas um herói pra milhares de famílias compostas por vaqueiros, tratadores, magarefes, tiradores de couro, fateiras, ajudantes de fateiras e, por fim, de todas as famílias sergipanas que consomem carne bovina, uma vez que, com 36 matadouros abertos, o custo do abate tende a cair e, com isso, cairá também o preço da carne. Como se vê, os escalados pra atacar Valmir, ao menos até aqui, só marcaram gols contra, né não?

1 Comentário

  • Tom

    10 de maio de 2022 - 15:06

    Boa! Aquele velho ditado “quem tem telhado de vidro não atira pedra no do vizinho”. Nessa altura do campeonato eis os candidatos como os apoiadores estão na hora é de propor suas ideias e o que tem para melhorar diante da ADM que aí está. E não estar atirando pedra em telhado alheio sem olhar para o seu próprio!

Deixe um Comentário