Rogério Carvalho e quando toda unanimidade, além de ser burra, acaba por gerar cegueira política

“Toda unanimidade é burra”, RODRIGUES, Nelson. E ponto! Aí não importa se é unanimemente de esquerda, direita, centro ou o escambau. A lógica rodrigueana é simples: tudo nesse mundão de Deus tem mais que um lado, uma ótica, uma única e mísera possibilidade. E ponto de novo! Mas AndersonsBlog confessa: está difícil não seguir a manada quanto ao voto do senador Rogério Carvalho (PT) no tal do Orçamento Secreto (e aqui, convenhamos: se o relator do orçamento é quem destina a verba, de secreto ele não tem muita coisa, né não? Se alguém sabe a destinação, então que fale, ora bolas!). Assim, mesmo não concordando e/ou não entendendo a postura de Rogério, o blog vai deixar que a população o julgue. Sim, porque essa misancene do PT em relação ao episódio do voto em questão, na boa?, não convence a quem avalia a política com um ou dois centímetros a mais de profundidade. Então, “vai ser punido”, “vai ter que responder”, “vai isso”, “vai aquilo”, enfim, tudo é jogo de cena, sem mais. Agora, por unânime que tem sido, a repulsa ao voto de Rogério Carvalho tem ocasionado um outro efeito colateral: a cegueira política! Ora, ora, afirmar que ele pode não vir a ser candidato a governador no ano que vem por conta dessa “contrariedade” que o PT está a demonstrar – para a torcida, viu? – em relação a seu voto é ingenuidade das brabas. E, de mais a mais, Rogério é bem mais próximo de Lula do que de qualquer outra figura do alto clero petista. E alguém já viu alguma manifestação de Lula censurando Rogério? Assim, com o voto no Orçamento Secreto (aliás, esse parece até nome de novela da Globo, né?, a tal de Verdades Secretas!) ainda muitíssimo mal explicado, Rogério terá que se ver é com o eleitorado. E, pode anotar aí, leitor e leitora, isso se dará em 2022 com Rogério Carvalho candidato a governador de Sergipe pelo PT. Simples assim!

Deixe um Comentário